De volta!


Após uma grande ausência, cá estou eu com novidades:

Curso de Astrologia – Nível 1 no Shanti – Guarda – 1 sábado por mês. A partir de outubro de 2017 – Mais informações brevemente. https://www.facebook.com/Shanti.Guarda/

Consultas de Astrologia – online e por escrito – envie um email para receber mais informações

Consultas de Tarot por escrito – Giovana Pirelli

 

7 de setembro de 2017

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

Advertisements

Sou Astrólogo e agora? As primeiras consultas


 

E, finalmente, chegou o dia em que temos de dar a nossa primeira consulta.
E agora? Aprendemos algumas técnicas. No entanto, se somos pessoas
responsáveis e confiáveis o mais natural é os nervos serem muitos. Surge
como uma avalanche a insegurança, o medo de falha e a boca fica seca. Não
temos experiência. Mas, para a obter, é preciso começar. Por onde?
“Todo o poder é confiança.” Benjamin Disraeli.
A astrologia é fascinante, tão fascinante que nos pode cegar, deixar-nos sem
discernimento e com o ego aos saltos. É como se o alcance da nossa visão
não fosse para além do umbigo. Esse fascínio, essa lua-de-mel constante
enche-nos de energia, achamos a vida fantástica e… STOP! Temos um
poder nas mãos.
Para lidar com o poder é preciso estar-se preparado: para não tirarmos
vantagens em relação à fragilidade e/ou confiança que outras pessoas
depositam em nós; e ter consciência que quanto maior o poder, maior a
responsabilidade. Em geral, quem consulta um astrólogo pensa estar
perante um ser que o vê quase como um RX. Algumas pessoas vão elas
próprias muito nervosas a uma consulta, ou seja, num estado de
vulnerabilidade, propício para que possam ser facilmente manipuladas. É
OBRIGATÓRIO ter consciência deste facto e não tirar partido desse poder, «a
troco de alguns prazeres imperfeitos.», como nos recomendou William Lilly.

“Lastimável discípulo, que não ultrapassa o mestre.” Leonardo da Vinci
Ser astrólogo ou melhor, estudante de astrologia, como se auto-intitula
William Lilly, astrólogo do séc. XVII, autor do livro «Astrologia Cristã», é ter
um compromisso de estudo e pesquisa para toda a vida. Seja visto como
assustador ou com um desafio apaixonante, para ser um astrólogo
excelente é essencial ter e manter este espírito presente.
Após o telefonema onde serão colocadas questões tais como data, hora,
local de nascimento. É preciso questionar a fiabilidade da hora de
nascimento, fazendo compreender a necessidade do rigor da mesma. A
hora errada, como sabemos, pode comprometer a correspondência
daquele mapa com aquela pessoa.

Passando este passo e partindo do princípio de que a hora está correta,
surge a oportunidade de perguntar se há algum assunto ou assuntos que
queira tratar com mais atenção e profundidade. Depois, arregaçamos as
mangas e pomos em ação todo o nosso conhecimento e concentração na
tarefa da delineação do mapa. O estudo deve ser rigoroso e devemos ir
aprofundando cada vez mais os nossos conhecimentos. Sempre que
possível acrescentar algo, a partir da experiência, aos conhecimentos que
nos foram transmitidos quer pelos livros que lemos e quer pelas aulas que
tivemos. Tal como os homens que são retratados, ou melhor, por se tratar de
homens em constante mudança, a astrologia terá de ela própria se
«reinventar» para acompanhar essas mudanças.
“Respeitar em cada homem o homem, se não for aquele que é, pelo menos
o que ele poderia ser, que ele deveria ser.” Henri Amiel
A nossa mente deve ter sempre presente que temos um ser humano à
nossa frente com um mapa e uma experiência de vida que o levou a fazer
escolhas mais ou menos agradáveis e/ou úteis para si e interferindo de
forma mais ou menos construtiva em relação aos outros.
E tudo isto se resume a mais uma referência que temos de ter: não fazer
juízos de valor.
Cada um de nós tem um cérebro que tem tudo de semelhante e bastante
de diferente. Recordo-me de um exercício especifico que fizemos numa
aula de astrologia em que nos foram dadas algumas palavras para as quais,
individualmente, teríamos de atribuir cores. Uma das palavras era Amor. Foi
engraçado, depois, verificarmos que o Amor tem tantas cores diferentes. E
ainda sendo a mesma cor que lhe tenha sido atribuída, ainda haveria com
certeza um manancial de tonalidades diferentes.
É pois, conveniente, ter consciência e aceitar essas diferenças e respeitá-las
pois não estamos a analisar o nosso mapa e não estamos a tentar mudar
ninguém, mas sim a promover o auto-conhecimento e uma escolha de
caminhos mais conscientes. E ajuda termos presente que “nós, para os
outros, apenas criamos pontos de partida.” Simone de Beauvoir

“Não devemos julgar os méritos de um homem pelas suas boas
qualidades, e sim pelo uso que delas faz.” François La Rochefoucauld
Um mapa maravilhoso, com os planetas com aspetos fantásticos e com
todos na sua essência e acidentalidade no seu melhor definirá por si só uma
pessoa fantástica?
E o contrário, um mapa debilitado, corresponderá a uma pessoa medíocre?
Tive surpresas agradáveis e desagradáveis mas que, aos poucos, me
ensinaram que o auto-conhecimento das nossas potencialidades e
dificuldades – estas últimas, encaradas como situações a trabalhar – pode
ser uma grande vantagem. Aprendemos a trabalhar com as duas e assim,
em consciência, escolher a melhor forma para concretizar a nossa vida.
“Aquele que se sabe profundo esforça-se por ser claro; aquele que
gostaria de parecer profundo à multidão esforça-se por ser obscuro.” 

O nosso discurso deverá ser claro e adequado à pessoa que temos à nossa
frente. É importante e muito útil, verificar se o que nós transmitimos chegou
de forma «correta» ao cliente. Se tivermos estudado o mapa já temos
informações que nos podem ajudar: ascendente, almútem,
comportamento, temperamento e motivações daquela pessoa. Reunindo
toda esta informação e cheios de vontade que as nossas palavras sejam
compreendidas, é um bom ponto de partida para que a consulta corra bem.
Ser claro não quer dizer que se tem de dar uma aula de astrologia. Esta
também é uma tendência dos astrólogos principiantes.
“Aquele que se analisou a si mesmo, está deveras adiantado no
conhecimento dos outros.” Denis Diderot
O conhecimento do ser humano na sua essência, a auto e
hetero-observação, o estudo da psicologia e de outras ciências humanas
são companheiros essenciais na esficácia da astrologia. Saber fazer a
delineação de um mapa com grande precisão, dominando as técnicas de
análise é muito importante, mas uma verdade dita de forma descuidada
pode comprometer toda a consulta e o trabalho do astrólogo. Tal como nos
ensina Wiiliam Lilly «Não aflijas os miseráveis com o terror de um
julgamento severo.»
“O tempo é o único capital das pessoas que têm como fortuna apenas a
sua inteligência.” Honoré de Balzac
Outra questão muito importante é a gestão do tempo e a sua delimitação.
Defina o tempo de que precisa para a sua consulta. Para mim até 1 hora e
meia é o razoável. Nos primeiros tempos, cheguei a dar consultas de 3 horas
ou mais, ouvia deliciada as conversas circulares dos clientes; respondia às
suas perguntas todas e queria mais e mais. Mas, com esta falta de
organização prévia e a excitação de estar a dar uma consulta corria o risco
de me precipitar nas respostas e errar, para além de fazer esperar as outras
pessoas que me consultavam. O facto de se tratarem de pessoas amigas ou
conhecidas atenuou o impacto e ajudou-me a crescer como astróloga sem
danos maiores.

Tinha muita vontade de mostrar que era rápida a responder. Por este
motivo, é importante a delimitação do tempo e evitar as conversas longas,
cingindo-nos ao mapa e às informações que dele podemos retirar.
Estabelecer rapport com o nosso cliente, no fundo é estabelecer sintonia
com o nosso cliente. E como se estabelece rapport? Há diversas técnicas
mas posso dar algumas sugestões. Atente na sua linguagem não verbal,
posição do corpo, das mãos, das pernas e faça de espelho. Se o cliente cruzar
a perna, cruze-as também, se entrelaçar os dedos, entrelace os seus.
de Artigos
43
Faça-o de forma subtil e delicada. Essa sintonia permite que este se sinta à
vontade e crie confiança. Essa confiança tem várias utilidades: permite que
o cliente esteja receptivo ao que vamos transmitir e que até nos dê algumas
informações úteis que poderão ajudar-nos em análises de mapas futuros.
William Lilly também já recomendava no seu tempo «Sê fiel, tenaz, não
traindo os segredos de ninguém(…) nunca divulgues a confiança em ti
depositada por amigos ou inimigos.»
E… lembrem-se que cada consulta é uma oportunidade de aprendizagem.
Tal como nos diz Antoine de Saint-Exupéry “Aqueles que passam por nós,
não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco
de nós.”

in Jornal Astrológico 4 Estações nº 7

Isabel Figueiras
Membro nº 31
https://astrocoachingblog.wordpress.com

1º Simpósio Luso-Brasileiro de Astrologia – Navegar as Estrelas


1º Simpósio Luso-Brasileiro de Astrologia – Navegar as Estrelas

 

Vivemos uma época privilegiada nas relações entre Portugal e Brasil. As cooperações e ações coordenadas realizam-se nas áreas político-diplomático, bem como econômicas, sociais, culturais, jurídicas, técnicas e científicas. Tal parceria chega a um ponto alto também na Astrologia, conhecimento ancestral que atualmente tem ganhado merecida expansão.

Dentro desse espírito de cooperação e valorização da astrologia, a Aspas (Associação Portuguesa de Astrologia) propõe-se à organização de um evento luso-brasileiro em que se desenvolverão atividades voltadas para profissionais e público principiante.

Serão dois dias dedicados a palestras e debates abordando à luz da astrologia temas culturais e históricos nomeadamente o resgate do nosso passado comum. O mundo actual será contemplado com temas da astrologia pessoal, relacional e coletiva utilizando a metodologia mais adequada mas sempre de nível técnico elevado.

http://simposioaspas2015.wix.com/aspas#!congressistas/c102q